quinta-feira, setembro 17, 2009

O PRIMEIRO NAMORADINHO
O segundo, eu estava na primeira série, e estudava numa escola perto de casa, eu era muito inteligente, a mais inteligente da turma talvez, e conheci um menino que poderia ser talvez o próximo, essa história é muito engraçada e durou vários anos, então vamos lá. Seu nome era Roberto, ele tinha a mesma idade que eu e era da mesma sala, era moreninho clarinho com cabelo de índio, e eu uma garota feia, porém inteligente. Lembro-me que éramos amiguinhos de classe até a segunda série quando tudo começou, tínhamos uma amiga, seu nome Juliana, ela era gordinha e muito engraçada, havia rumores de que Roberto gostava de mim, mas nada que eu soubesse da boca dele, nessa época eu dava uma de difícil, eu dizia que não gostava dele quando na verdade eu o amava, na terceira série ele me deu um cartão que dizia: “TODOS PODEM ALCANÇAR OS CÉUS DESDE QUE TENHAM BONDADE NO CORAÇÃO”. Isso aconteceu durante um recreio, a Juliana me chamou na sala e ele me deu um cartão. Mas minha primeira decepção foi quando eu o vi com uma menina da sala, eles não estavam fazendo nada, mas aquilo pra mim foi o fim, eu ainda era a menina mais inteligente da sala, não aceitava isso. Chegando a época de festa junina nos preparávamos para a quadrilha, e no primeiro dia o professor separava os pares, e no final sobramos eu, Roberto, Juliana e Vinicius, um carinha novo que mudou-se para minha rua um tempo antes e nós já éramos muito amigos, mas o professor me mandou escolher com quem eu gostaria de dançar e eu não podia deixá-lo, claro que escolhi dançar com Roberto, o menino lindo que eu amava, e assim foi, dancei com ele. Na quarta-série, eu já não estudei mais nessa escola e fui pra uma mais longe onde vivi os anos mais intensos da minha vida estudantil, mas Roberto não foi comigo, não nesse ano, mas a gente se via de vez em quando, claro, nós morávamos no mesmo bairro, e naquelas férias, uma coisa muito especial estava pra acontecer, sim o inesperado! Eu viajei semanas antes para santa Leopoldina ficava na casa de meus avós, quando no final de semana meus pais e seus amigos chegaram, mas eu não estava lá, eu cheguei bem depois, quando os amigos já haviam descido para a cachoeira, lá, o grande encontro, os pais de Roberto era amigos dos amigos do meu pai, e o vi, aquele final de semana foi bem longo e lindo, a gente brincou, se divertiu, dormiu e eu até aprontei, coloquei uma abóbora com uma vela dentro no meio do mato pra assustá-los, esse final de semana foi lindo e nos daria mais tarde mais oportunidades de nos vermos. Um tempo mais tarde foi casamento de um primo meu, lá na roça mesmo, e ele foi com os pais dele e dançamos forró e dormimos dentro do carro juntos, calma! Eu tinha 9 anos! Mas foi lindo.
Bem, chegando à nova escola tratei de dizer que tinha um namorado que mais tarde iria estudar na mesma escola e bem mais tarde na mesma sala. Pois bem, estudei a quarta série bem, fiz amigos inesquecíveis. Quando cheguei à quinta série, ele chegou! Mas era de outra turma, ele era “B” e eu “A” e sempre teve uma rivalidade de A contra B, a gente se via pelos corredores, e no recreio, nos falávamos, mas nada sério foi assim durante todo aquele ano. Eu morria de vergonha e ele também. Na sexta série aconteceu uma tragédia, meu pai faleceu! Dia 1º de Março de 2000

livro "Sem título" de Karol FLEGLER

2 comentários:

  1. Linda a história... você insiste que eu não gostava dele... na verdade, eu odeio é você.. POR TER COLOCADO AQUI A HISTÓRIA DA QUADRILHAAAAAAAAAAAAAA!! rsrsrsrs

    Te amo, Ka!! Beijos!

    obs.: nunca li seu livro. ¬¬'

    ResponderExcluir
  2. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk...
    Muitoo lindaa essaa história Kah!
    Na verdade Confesso q li ela toda pensando no quando o Vi ia querer te matar por ter colocado aki! kkkkkkkkkkk!!
    Essa história ainda vai longeeeee Heim!
    Bjs, TE AMO!

    ResponderExcluir