segunda-feira, outubro 12, 2009

Enquanto eu organizo minhas emoções, acho melhor ir escrevendo. As emoções se misturam... Mas calma, vou dizer.
O segundo INTERPINO começou bem desde que fomos com vontade de voltar, começou bem quando aprendemos o que era amar à distância, amar sem reservas, sem os “porquês” que normalmente temos quando estamos juntos. Amamos pq são únicos, pq nos amam tbm, sobretudo amamos pq amamos, não há um motivo que me faça explicar, não há possibilidades de ser o contrário.
A cada passo dado em direção aos relacionamentos concretos de amizade que se estabelecem por meio da cruz, eu vejo o céu. Assim como eu o vi quando tinha 7 anos, assim como eu já o vi várias vezes, o incrível disso tudo...é que já fazem parte por inteiro de nossas vidas. OS loucos daki descobriram que não estão só. No entanto, depois de tudo, não posso dizer que acabou bem, de maneira nenhuma ...pq , de fato, não acabou. Pq não acaba nunca.

BEM, se eu fosse uma escritora escreveria o final da história de amor entre Pinheiros e Nova Brasília assim: “E viveram felizes para sempre, no céu”. Mas essa história já tem “Gente” escrevendo, me contento em lê-la, somente. CONTINUA...
Karol FLEGLER

2 comentários:

  1. Putz... que lindo karol
    Vey, vc tem q ser escritora!!!
    rsrsrs
    Perfeito!!!

    ResponderExcluir