quinta-feira, abril 22, 2010

Conservação da liberdade.




Ao passar de geração pra geração, existe sempre um contraposto de ideais de uma pra outra, o que chamamos de Conflitos de Gerações. As mais antigas chamamos de conservadores tradicionalistas, contra eles estão os liberais. Não quero pensar sobre o fundamentalismo filosófico em que ambas classificações estão inseridas, mas pensar no que se refere ao significado das palavras propriamente ditas. Estudemos os significados das palavras:
“conservador”: opor-se à mudanças.
‘Liberal’: que defende a liberdade individual.
Esses são os significados reais das palavras. Mas aí os homens sempre aumentam um tanto. Ao olhar a imagem você pode considerar a pessoa em questão uma pessoa liberal, porque se mostra livre dos padrões de comportamentos chamados éticos, mas se olhar ao fundo em entrevistas, questionamentos, haverá de compreender que é extremamente conservadora no que diz respeito aos ideais filosóficos, que pra você podem ser os mais tradicionais e antiquados possíveis.
Logo, como uma pessoa pode ser as duas coisas ao mesmo tempo? Como pode ser liberal e conservador?
Somos à imagem e semelhança de Deus, ok? Logo o grande Conservador é o PRÓPRIO. Deus não muda isso o dá o nome de Imutável. Em contrapartida, ele defende a liberdade individual, pois nos fez com o livre arbítrio.
Todo aquele que está em Cristo e tem uma nova vida já é livre da condenação do pecado, mas é conservador no que diz respeito às imutáveis ordens, leis, regas, mandamentos (chamem como quiserem) de Deus.
Ou seja,
Conservadores das leis e princípios divinos se tornam liberais.
É só um pensamento pra lá de filosófico.

Karol Flegler

sábado, abril 10, 2010


CHOREI, GENTE...
É porque olha só...é lindo! Ok, falar sério? VAMOS!Como diz taty, é “chorante”.
Eu recomendo o filme que está em cartaz, O livro de Eli. É sempre assim, quando eu tenho medo de ver um filme por pensar que ele é ruim quebro a cara! O filme é muito bom MESMO. Denzel Washington, guarda um livro. Se vc não quer saber o filme, pare de ler por aqui. Não dá pra escrever sem contar. Mas talvez seja como eu e queira saber do final logo.
Que livro é esse que pode dar o poder aos homens? Que livro é esse que é perseguido? Não deve ser lido? Que livro é esse que precisou ser queimado? Que livro é esse que conta toda sua história, presente, passado e futuro? Que livro!
Quando tudo tiver um fim e não se tiver mais esperanças, lá ele estará. Quando tudo tiver que ser reconstruído, ele será a pedra fundamental. Quando todos os outros livros não satisfizerem os humanos, então ele trará a mensagem. Quando todos tentarem te impedir de lê-lo? Quando ele não mais existir, e precisar de ouvir, onde terá o escondido? E se só tiver um exemplar? Não se sabe o valor de uma coisa até perdê-la.
Quando se ouvir dizer: Céus e terra, passarão mas as minhas palavras não passarão, então saberá que se pode queimá-lo, escondê-lo, roubá-lo, mas se estiver em seu coração, e em sua mente, sobretudo em sua própria vida...e há de compreender que a bíblia não é só letra, não é só papel ou história, menos ainda mito, é a palavra, a própria voz de DEUS.
Karol FLegler

quinta-feira, abril 01, 2010

Exposição no Museu de Arte do Espírito Santo.




Depois de muitos anos voltei ao MAES, a última exposição que havia visto era dos “Triângulos Roxos”, falava sobre a segunda guerra mundial, daí meu vício sobre o assunto. Mas dessa vez, vamos falar sobre a exposição de um gênio da arte da gravura, Rembrandt. Arte de desenhar em chapas de cobre, com um óleo, não me lembro o nome, que depois é retirado e posto um papel por cima da chapa debaixo de uma prensa, sai então a gravura. Rembrandt teve 3 mulheres, uns filhos mortos, o gênio revolucionou a história da arte, sobretudo na Holanda, pintando e desenhando e gravando cenas do cotidiano fora das regras européias. Protestante, Rembrandt pintou, desenhou, gravou diversas cenas bíblicas que chamam atenção pela sinceridade e a paixão da realidade. Em suas gravuras, o cristo não era do tipo “italiano”, Maria já era uma senhora, e suas hachuras fazem de suas obras um verdadeiro espetáculo. Mas tudo isso seria em vão se eu não levasse pro lado considerável da vida. E que lado é esse? Quem acompanha o blog sabe.

A bíblia é sempre exposta em forma de arte, disso podemos tirar algumas verdades. A primeira é que nem todas pinturas que relacionam a bíblicas podem ser verídicas, principalmente as romanas, mas o Rembrandt, tatuou a bíblia de forma verídica e sincera. Seus desenhos são capítulos e histórias bíblicas que se pode acreditar. Nada de Cristo de olhos azuis, louro ou coisa parecida.

Outra coisa que podemos falar sobre a exposição é que o cara, o tal Rembrandt, deixou sua marca, literalmente, no mundo. Deixando sua marca, pregou a mensagem da cruz, não sei se ele pensava nisso, mas de alguma forma cumpriu o ide, suas obras são famosíssimas no mundo inteiro. E que marcas deixamos? Seremos famosos pelo o quê?

Tornou-se meu preferido. Não por ter feito tudo o que todo mundo já viu, mas por ter falado com as linhas. Me fez lembrar o quanto a arte aproxima o homem de DEUS.

Karol Flegler