quinta-feira, abril 22, 2010

Conservação da liberdade.




Ao passar de geração pra geração, existe sempre um contraposto de ideais de uma pra outra, o que chamamos de Conflitos de Gerações. As mais antigas chamamos de conservadores tradicionalistas, contra eles estão os liberais. Não quero pensar sobre o fundamentalismo filosófico em que ambas classificações estão inseridas, mas pensar no que se refere ao significado das palavras propriamente ditas. Estudemos os significados das palavras:
“conservador”: opor-se à mudanças.
‘Liberal’: que defende a liberdade individual.
Esses são os significados reais das palavras. Mas aí os homens sempre aumentam um tanto. Ao olhar a imagem você pode considerar a pessoa em questão uma pessoa liberal, porque se mostra livre dos padrões de comportamentos chamados éticos, mas se olhar ao fundo em entrevistas, questionamentos, haverá de compreender que é extremamente conservadora no que diz respeito aos ideais filosóficos, que pra você podem ser os mais tradicionais e antiquados possíveis.
Logo, como uma pessoa pode ser as duas coisas ao mesmo tempo? Como pode ser liberal e conservador?
Somos à imagem e semelhança de Deus, ok? Logo o grande Conservador é o PRÓPRIO. Deus não muda isso o dá o nome de Imutável. Em contrapartida, ele defende a liberdade individual, pois nos fez com o livre arbítrio.
Todo aquele que está em Cristo e tem uma nova vida já é livre da condenação do pecado, mas é conservador no que diz respeito às imutáveis ordens, leis, regas, mandamentos (chamem como quiserem) de Deus.
Ou seja,
Conservadores das leis e princípios divinos se tornam liberais.
É só um pensamento pra lá de filosófico.

Karol Flegler

Um comentário: