quinta-feira, abril 21, 2011

Quem é vivo sempre aparece.

Quem é vivo sempre aparece!!! Esse bordão veio a calhar nesse feriado. Galera viaja, se reencontram. Lembro-me que quando era criança o point era Santa Leopoldina, casa da vovó, comer torta os 4 dias até sair pelo nariz, e cachoeira e amigos de papai por lá, e diversos encontros, hj em dia mudou um tanto mas ainda como torta até enjoar, tradição é tradição, ainda mais de família. Enfim, em feriados encontramos umas pessoas de longa data e não se pode deixar de ouvir a piadinha “quem é vivo sempre aparece”, neh não?! Pessoas que há décadas não as vimos por um motivo ou por outro. O mais importante de post é que falamos de vivos que não morreram ainda. Mas de um especial que já morreu.



“Eis que vem com as nuvens, e todo o olho o verá, até os mesmos que o traspassaram; e todas as tribos da terra se lamentarão sobre ele. Sim. Amém.” Ap. 1-7



“E o que vivo e fui morto, mas eis aqui estou vivo para todo o sempre. Amém. E tenho as chaves da morte e do inferno. “ Ap. 1-18



Aí, já sabem do que eu tô falando, neh?! Quem é vivo sempre aparece, e Ele vai voltar, vivo, santo, vai ser doideeeeeeeeera pura! E como eu viajo, cara, eu creio que verei esse dia, estarei viva, vai ser massa! Até desenharia!
Fica esperto, quando Ele voltar... karacas!!!



Karol FLEGLER

sábado, abril 16, 2011

sobre uns relacionamentos

Os relacionamentos estão fadados ao caos. São muitos meios sociais de comunicação – há muita comunicação. Sinto que quando as coisas eram difíceis eram melhores. Duravam mais. Não tinha facebook e vc simplesmente chingava com seu amigo, ou escrevia em seu diário. Depois de “namorar” vc não ia pro MSN encontrar a mesma pessoa. Não havia os velhos amigos que provocam ciúmes no Orkut. E ainda o twitter e outras mais. Jaci dá sorte, Lucas mal mexe no email. Então fico a imaginar hoje, como seria... e fico a lembrar qndo era – não ter celular – não ter internet. Viam-se qndo dava. Mas ainda há os que acham que isso não é o bastante. A saúde de um relacionamento está também em sentir falta, saudade. Não sei você, mas eu penso que ... os namoros de hoje queimam etapas, vc nem precisa conversar pra saber o que a pessoa gosta, é só olhar comunidades. Não precisa perguntar nada é só olhar o face. Essa construção desenfreada levará a passos largos para um relacionamento artificial e no futuro, um olhará pra cara do outro ... não entendendo nada... vão olhar suas páginas pra verem onde pararam nas atualizações. Karol FLegler

quinta-feira, abril 14, 2011

Sutil-mente

Sutilmente

Sutil – mente

Mente sutilmente

Su, seu tio mente.

Útil mente.

Sul.

Nos bastidores nem há maquiagem suficiente pra te esconder. Não há nariz que te disfarce, não há figurino que não mostre suas curvas. Mas atrás, nos bastidores, há espelho, que só mostra você diretamente aos seus olhos e aos olhos de quem te vê por dentro.


Corra e quebre a perna. Boa apresentação. Haverão cadeiras vazias ao final do grande espetáculo, mas ainda estarei lá aplaudindo. Devagar, perturbador aplauso. Já era hora? Agora já era. Má impressão para um público tão sensível. É hora que Coro canta o final da história, o corifeu inventa um movimento, e a personagem dramática insere mais um personagem que tem o nome de “fim”.

O fim chega e todos ficam assustados, saem todos do grande circo armado. O fim é um monstro malvado sem mãos. Só tem olhos. Nem boca, nem orelhas. É escorregadio.


Mais uma tragédia grega, com intenção de ser pedagógica, mas que não é arte. Se pensar como grego, não tem lado bom ou ruim, tem posistivo e negativo e isso É TRAGÉDIA. Tipicamente grega, tipicamente ocidental, tipicamente sua.

Karol Flegler